Falando de Mercado: Os altos e baixos na safra de cana-de-açúcar 20-21

Author Argus

O mercado de etanol do Centro-Sul brasileiro viveu sua própria montanha-russa em 2020, oscilando entre bruscas quedas e crescente otimismo.

Como isso se traduziu nos preços do biocombustível ao longo da temporada e quais as perspectivas para o período de entressafra?

No episódio desta semana da série Falando de Mercado, Camila Dias, Chefe de Redação da Argus no Brasil, e Pedro Cirne, Subeditor do relatório Argus Brasil Combustíveis fazem um balanço da safra de etanol do Centro-Sul.

Links relacionados

Transcript

Camila Dias: Olá e bem-vindos ao ‘Falando de Mercado’ – uma série de podcasts trazidos semanalmente pela Argus sobre os principais acontecimentos com impacto para os setores de commodities e energia no Brasil e no mundo. Meu nome é Camila Dias, e eu sou chefe de redação da Argus no Brasil. No episódio de hoje eu converso com Pedro Cirne, subeditor da publicação Argus Brasil Combustíveis, sobre o período de entressafra de cana-de-açúcar no Centro-Sul do país. Bem-vindo, Pedro.

Pedro Cirne: Obrigado, Camila.

CD: Pedro, você conversou com diversos participantes do mercado de etanol para fazer um balanço sobre o setor de cana-de-açúcar neste conturbado ano de 2020. Em um ano de pandemia de Covid-19, tenho certeza de que eles tiveram muitas coisas para colocar na balança.

PC: Camila, é isso mesmo. Não dá para fazermos qualquer balanço de 2020 sem falarmos de Covid, não é? E é curioso porque, no mercado da cana-de-açúcar, há dois momentos bem distintos.

O primeiro momento foi o início do isolamento social, lá entre março e abril. Tentar prever qualquer coisa era muito arriscado. Quando sai a vacina? Até quando fica o isolamento social? Imagine então para quem tinha de prever os próximos meses para seus negócios.

O que aconteceu, então, foram perspectivas bem pessimistas, claro. Porque, usando uma ––metáfora futebolística, era preferível jogar na defesa. Ia ser difícil marcar gol, então o preferível era recuar o time para evitar que se tomassem gols. Aí as previsões foram todas conservadoras, para dizer o mínimo.

CD: E essas previsões pessimistas se confirmaram?

PC: Uma pessoa que eu entrevistei me disse algo bem interessante: “A cana é trágica: se você já tinha plantado, não tinha outra alternativa a não ser colher e processar, mesmo diante da incerteza.” Ou seja, não se tinha muita opção. E, de fato, vendeu-se menos. Nas primeiras semanas após as medidas de isolamento, as vendas de etanol caíram mais de 65pc. Mas se você pegar o período todo desde o início da safra, em 1º de abril, até hoje, as vendas domésticas de etanol hidratado no Centro-Sul diminuíram 15pc, de acordo com dados divulgados pela Unica no final de outubro.

Ou seja, as vendas caíram, mas não tanto quanto se temia e iniciaram um processo de recuperação antes do esperado também. Por outro lado, os preços subiram. E ajudaram a compensar as perdas. As previsões, feitas em um cenário tão compreensivelmente pessimista, não se confirmaram. Parecia que ia ser muito ruim, mas foi só ruim e já está em recuperação. É curioso dizer isso, mas todos que eu entrevistei usaram a palavra “otimismo”.

Uma outra frase que ouvi resume bem esse cenário: “O planejamento foi feito sobre premissas pessimistas, e hoje o setor sucroacroleiro está nadando de braçadas. E isso é bom porque agora estamos podendo vislumbrar resultados melhores.”

CD: E a segunda onda de Covid – caso ela aconteça aqui como estamos vendo em países da Europa e em algumas regiões nos Estados Unidos - não tende a frear um pouco esse otimismo?

PC: A segunda onda de Covid tende a frear qualquer otimismo! Sabe a expressão “confiar desconfiando”? Os produtores são otimistas com um pé no pessimismo. Muita coisa pode acontecer. Por exemplo, caso a intensidade do contágio aumente, pode ser que sejam implementadas novas restrições à circulação, o que teria impacto direto sobre a demanda por combustíveis.

E há os fatores extra-Covid. Um clima muito seco no início da plantação pode resultar em menos cana na hora da colheita. E há até o risco de haver tanto otimismo que ele atrapalhe. Ou seja, os preços podem subir demais, a ponto de atrapalharem os negócios. Isso, claro, interromperia a recuperação.

CD: Pedro, e esse otimismo se reflete nas previsões para a entressafra?

PC: Sem dúvida, Camila. Os produtores estão fixando valores ainda mais altos para o açúcar do que os da última safra coletada. Eles não apresentaram valores para o preço do açúcar, ainda, mas a tendência é essa.

CD: Esses preços mais altos já fizeram com que o açúcar tivesse uma participação maior no mix de produção da safra atual no Centro-Sul do que em temporadas anteriores, né, Pedro?

PC: Exatamente, Camila. Segundo os dados mais recentes da Unica, que é a União da Indústria de Cana-de-Açúcar, as usinas do Centro-Sul destinaram quase 47% da cana para a produção de açúcar na safra atual. Na safra anterior, foram 35% apenas.

CD: E o que eles estimam para os estoques de etanol da entressafra, Pedro?

PC: A entressafra da cana-de-açúcar terá estoque menor que a anterior, Camila. Estima-se que os estoques de passagem de etanol hidratado fiquem entre 750.000m³ e 1 milhão de m³ para a próxima entressafra. Isso é menos do que na entressafra anterior, que ficou em 1,1 milhão de m³, segundo o Ministério da Agricultura.

As previsões para os estoques de álcool anidro também apontam números menores. Os estoques devem ficar entre 400.000 e 750.000m³ para a próxima entressafra. No início de abril deste ano, o estoque estava em 892.000m³.

Lembrando, Camila, que a entressafra no Centro-Sul não tem um período bem delimitado, ela pode variar de usina para usina, mas, em geral, estamos falando do primeiro trimestre de cada ano.

CD: Muito obrigada, Pedro.

Este e os demais episódios do nosso podcast em português estão disponíveis no site da Argus em www.argusmedia.com/falando-de-mercado. Visite a página para seguir acompanhando os acontecimentos que pautam os mercados globais de commodities e entender seus desobramentos no Brasil e na América Latina. Voltaremos em breve com mais uma edição do Falando de Mercado. Até logo!

Comments

Deixe uma resposta

Required
Insira o seu nome
O nome não está correto (apenas letras são permitidas)

Related blog posts

04 novembro 2020

Falando de Mercado: A demanda doméstica por combustíveis já voltou aos níveis pré-pandemia?

Após uma queda média da ordem de 40% no início da pandemia de Covid-19, o consumo doméstico de combustíveis vem subindo progressivamente, voltando aos níveis pré-crise.

Filter:

Derivados de petróleo Bioenergia América Latina e Caribe Português

21 outubro 2020

Falando de Mercado: Panorama do transporte de etanol no Brasil

Das usinas ao postos de abastecimento, o etanol brasileiro transita por uma cadeia logística que envolve modais de cabotagem, transporte rodoviário e dutoviário.

Filter:

Bioenergia Derivados de petróleo América Latina e Caribe Português

13 outubro 2020

Falando de Mercado: O que muda nos contratos de exportação de grãos no Brasil?

Tradicionalmente usados por exportadores brasileiros para padronizar embarques marítimos de grãos, os modelos de contratos da Anec passaram por uma ampla revisão em julho para refletir a nova dinâmica do setor.

Filter:

América Latina e Caribe Fertilizantes Agricultura Português